14 fevereiro 2020

Aspomires participa de ato histórico contra a proposta de aumento anunciada pelo Governo

Policiais e bombeiros militares, policiais civis e demais operadores
da Segurança Pública se unem em ato histórico pela luta salarial

Nesta quinta (13), diante da proposta de 4% de aumento salarial inicial, anunciada na última sexta-feira (07), a Frente de Valorização Salarial reuniu todas as associações que a compõe para a realização de um ato no centro da capital. Mais de 1,5 mil pessoas, entre policiais e bombeiros militares, policiais civis, pensionistas e demais agentes de Segurança Pública, aderiram à passeata no centro da capital. Este ato teve início às 14h, no Edifício Fábio Ruschi, e caminhou em direção ao Palácio da Fonte Grande, onde aconteceu um manifesto, e retornou, ainda em passeata, ao prédio da SEGER, onde às 17h, a Frente Unificada se reuniu com a equipe de governo.

Para o presidente da Aspomires, Cap Thompson, essa movimentação representa um fato histórico. “Juntos com a Frente de Valorização Salarial, da qual nossa associação faz parte, reunimos um expressivo número de associados manifestando a insatisfação com a proposta de aumento apresentada pelo Governo do Estado”, esclareceu o presidente. E complementou: “O percentual está muito aquém daquilo que o Estado tem a oferecer”.

Cap Thompson destaca a indignação diante da atual realidade
salarial da PMES

Cap Thompson ressaltou que a Frente apresentou um estudo de toda perda salarial ao longo dos últimos anos. “Nossa luta é pela recomposição. O governador prometeu nos retirar da incomoda última colocação do ranking salarial do país, pois somos a polícia militar mais mal paga do Brasil. Não queremos baderna, desordem ou greve. Os operadores da Segurança Pública querem ser valorizados. Estamos lutando por nossa dignidade”, destacou.

Segundo o presidente, os policiais civis foram impedidos de entrar no Palácio da Fonte Grande. “Estão tentando fragmentar e fragilizar a Frente Unificada, mas as entidades militares não aceitaram negociar sem a presença dos policiais civis. Após esse mal-estar, a equipe de governo permitiu a entrada deles, mas não houve reunião, aceitaram apenas a entrega da nossa contraproposta”, contou Cap Thompson. E finalizou: “Ficou acordada a análise e resposta até dia 27 deste mês. Vamos aguardar como o Governo vai se comportar diante da nossa proposta A Frente Unificada está coesa e continuamos acreditando no diálogo”.