4 outubro 2014

Aves ganham liberdade após cativeiro

 

O Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA) e o Centro de Reintrodução de Animais Selvagens (Cereias) realizaram na tarde de sexta-feira (03/10) a soltura de 220 aves silvestres em uma cidade da Região Serrana, do Sul do Estado.

Das 220 aves da fauna silvestre brasileira, oriundas de apreensões realizadas em várias partes do estado e que foram reintroduzidas à natureza, estavam canários-da-terra, coleiros, bigodinhos, catataus, azulão, galinhos-da-serra, sanhaços, trinca-ferros, sabiás, melros, maitacas, além de papagaios-chauá.

Antes da soltura definitiva, os animais receberam uma atenção especial em um viveiro. Mesmo com as portas dos transportes abertas, alguns ainda demoram a sair. Passaram por longos períodos em cativeiro e, mesmo diante da liberdade, se sentem inseguros, e somente, aos poucos, arriscam-se no primeiro voo livre.

Readaptação – O biólogo e coordenador do Cereal, José da Penha Rodrigues, responsável por transportar os animais juntamente com a Polícia Militar Ambiental, acompanhou todo o processo. Segundo ele, antes da soltura das aves, são espalhados alimentos variados em diversos pontos para garantir a sobrevivência das espécies. “No início elas não vão embora porque não conhecem bem a área, ficando próximas de onde foram soltas com alimentação farta. Aos poucos vão se distanciando. A cada dia vão mais longe, até conhecerem toda a região, cumprindo o seu papel junto à natureza”, afirmou.

Como ocorreu nas solturas anteriores, houve uma escolha técnica do local com parecer favorável do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Todo o trabalho de soltura é registrado pelo BPMA em boletim de ocorrência ambiental, incluindo fotos e filmagens, documentação utilizada em palestras e atividades diversas de educação ambiental.

O Cereias – Os animais provêm de apreensões e recolhimentos feitos em todo o Estado pela Polícia Militar Ambiental e o Ibama, sendo encaminhados ao Projeto Cereias. Lá recebem atendimento veterinário, alimentação apropriada em espaço físico adequado até que possam voltar à natureza. Desde sua fundação, o Cereias já recebeu mais de 70 mil animais, deste total, 77% retornaram ao meio ambiente, 2% foram transferidos para outros estados, 19% não resistiram aos maus-tratos sofridos e chegaram a óbito e 2% estão em recuperação no Centro.

Considerado como referência nacional por sua estrutura, o Cereias também desenvolve programas de pesquisa em conjunto com universidades nas áreas de biologia de espécies ocorrentes no Espírito Santo, medicina veterinária preventiva para animais selvagens, métodos de reintrodução de espécies e ecologia da fauna selvagem reintroduzida.

Dados e fotos: Assessoria de Comunicação do Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA) – Capitão PM RR Roberto Martins

https://mail.google.com/mail/u/0/#inbox/148dbc650af583e2?projector=1