12 julho 2012

CDF aprova ações e empenho da Comissão de Obras

Um dos diferenciais do projeto de reforma e ampliação da Aspomires é o planejamento e o rigoroso controle dos gastos. Ao longo de dois anos de construção, o cumprimento do cronograma de desembolso mensal, desde a primeira até a atual etapa, tem caracterizado o empreendimento como exemplo de disciplina, transparência e responsabilidade. Quem ressalta os bons resultados do investimento é o presidente do Conselho Deliberativo e Fiscal, Cel PM RR Guilherme Rodrigues, responsável pela fiscalização da obra.

“Os recursos para a construção foram retirados da arrecadação mensal sem prejudicar a assistência social, finalidade precípua da entidade. O policial militar luta com muita dificuldade. Diante disto, o atendimento social, assim como o financeiro e o jurídico são assuntos primordiais da associação. Graças a Deus, a obra não foi interrompida em nenhum momento por falta de verba porque a Comissão de Obras tem realizado o trabalho paulatinamente de acordo com o valor destinado mensalmente”, destaca.

Acompanhamento – Segundo o coronel, algumas medidas contribuíram para o acompanhamento permanente e participativo do investimento. Uma delas foi indicar um membro do CDF, o vice-presidente, Cel PM RR Robinson, para compor a Comissão de Obras. Desde o início da reforma e ampliação, o militar realiza o acompanhamento cotidiano das atividades, comunicando as decisões mais importantes do cotidiano da obra. Periodicamente, a comissão ainda apresenta dados sobre os valores pagos, as licitações e contratações de fornecedores e as etapas transcorridas do projeto. As informações são analisadas, aprovadas e repassadas para o conhecimento do Conselho Diretor.

Na avaliação de Guilherme, é necessário carinho e muita preocupação para não se deixar sair da meta ao conduzir uma obra de grande porte. Além do cuidado em manter o cronograma de desembolso, torna-se necessário avaliar as variáveis custo e qualidade do produto ou serviço. “Nem sempre o melhor preço corresponde à melhor qualidade. A comissão avalia estes dois fatores em suas decisões”, salienta. No decorrer do processo, a comissão ainda se deparou com desafios como as condições climáticas que costumam provocar atrasos nas atividades.

Visão – O presidente do Conselho Deliberativo e Fiscal destaca a importância da visão de futuro da associação. “As acomodações para atendimento estavam muito acanhadas e as pessoas ficavam emboladas na sala de espera. Com o crescimento no número de associados, houve necessidade de aumentar o espaço e aproveitar melhor o terreno. Criou-se a ideia de fazer a obra e aproveitou-se para montar o centro de convenções que será uma fonte futura de recursos e melhorias para os associados”.

Na opinião de Guilherme, as ações humanas precisam ser feitas dentro de uma programação. “A nossa vida se baseia, não só a vida particular, como a profissional, no planejamento, no pensamento estratégico. Todo ser humano precisa ter um cenário de futuro”.