25 julho 2013

Concurso busca histórias em pequenos municípios para transformar em filme

 

Morador da pequena cidade de Dionísio Cerqueira, em Santa Catarina, o soldado Vanderlei Belmiro da Silva, do 11º Batalhão de Polícia Militar de Santa Catarina, sempre quis contar como vivem os trabalhadores que atuam no corte da erva-mate, principal ingrediente do Chimarrão, a tradicional bebida dos brasileiros do sul do país. Em 2010, o policial realizou o seu sonho ao ser selecionado pelo Concurso Nacional de Histórias do Revelando os Brasis – Ano IV e, a partir do projeto, transformou sua história no filme de curta-metragem “Doce Amargo”.

Agora, outros brasileiros poderão contar uma história e transformar em filme. Estarão abertas até 30 de setembro as inscrições para o Concurso Nacional de Histórias do Revelando os Brasis – Ano V. Para se inscrever basta ter mais de 18 anos e morar em uma cidade com até 20 mil habitantes. De acordo com levantamento divulgado em 2010 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil possui 5.568 municípios; desses, 3.919 têm até 20 mil habitantes. No Espírito Santo, dos 78 municípios, 42 estão habilitados a participar do concurso.

Uma comissão formada por profissionais reconhecidos das áreas do cinema e da comunicação escolherá 20 histórias mais 20 suplentes. Os selecionados participarão de uma oficina audiovisual no Rio de Janeiro e, em seguida, voltarão aos municípios de origem para gravar os filmes baseados nas histórias.

Podem ser inscritas histórias verdadeiras (baseadas em fatos históricos, personagens, lendas, mitos, crenças, conflitos, causos, tradições populares, etc) ou inventadas. Os autores selecionados participarão de oficinas preparatórias de Roteiro, Direção, Produção, Direção de Arte, Fotografia, Som, Edição, Mobilização Comunitária e Direitos Autorais, no Rio de Janeiro, com todas as despesas pagas pelo projeto. Na etapa seguinte, os diretores contarão com o apoio da estrutura de produção oferecida pelo Revelando os Brasis para gravar os filmes com até 15 minutos nos pequenos municípios.

Criado em 2004, o Revelando os Brasis tem por objetivo geral promover inclusão e formação audiovisuais através do estímulo à produção de filmes. O projeto é uma realização do Instituto Marlin Azul, tem parceria do Canal Futura, parceria estratégica da Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura e conta com o patrocínio da Petrobras, por meio da Lei Rouanet. O regulamento e a ficha de inscrição estão disponíveis no site www.revelandoosbrasis.com.br . Mais informações pelo telefone (27) 3327-6999 ou através do e-mail revelando@imazul.org

Doce Amargo – A história escrita pelo policial mostra o sacrifício vivido pelo erveiro durante o trabalho de extração e de transporte da planta, porém, revela também como a erva-mate é motivo para reunir e integrar parentes, familiares e amigos. O filme destaca o envolvimento dos moradores com o cultivo, beneficiamento e a comercialização da erva-mate e a apreciação das pessoas pelo sabor e o prazer despertados pelo chimarrão. Para destacar este contexto, a ficção “Doce Amargo” conta a história de Balduíno, um erveiro dedicado ao trabalho e à família, e enaltece a vida simples e os valores familiares de quem vive da extração da erva-mate.

Com 16 anos de trabalho dedicados à corporação militar, o soldado destaca a importância de participar do Concurso Nacional de Histórias do Revelando os Brasis. “O projeto me fez repensar muitas coisas, até mesmo sobre meu trabalho policial, porque dificilmente um policial está envolvido com arte e cultura, e isso acontece não porque ele não queira, mas porque existe todo um sistema capaz de “diminuir” suas expectativas em relação ao que ele pode fazer a mais, além de cumprir sua escala de serviço. Para mim, é um projeto especial, aprendi com todos, conheci muitas pessoas e realidades diferentes de todos os cantos deste país, cada qual com suas dificuldades mas todos com a mesma dificuldade: falta de incentivo à cultura em termos de estrutura física e recursos financeiros”, conta Vanderlei Silva.

Saiba mais – Nas quatro primeiras edições do projeto foram produzidas 160 obras, entre ficções e documentários. Os filmes são lançados em DVD com distribuição gratuita entre organizações sociais e culturais, bibliotecas, universidades e cineclubes de todo o Brasil, além disso, participam de festivais e mostras audiovisuais de âmbito local e nacional.

O Instituto Marlin Azul é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip). Criada há 13 anos, a instituição promove ações comprometidas com a cultura, a arte e a educação através da democratização do acesso aos bens culturais audiovisuais. Em parceria com órgãos públicos, instituições sociais e organizações privadas, o instituto desenvolve projetos de formação, produção e difusão audiovisual para todos os públicos.

 

Conheça a lista de municípios capixabas habitados a participar do Concurso Nacional de Histórias – Ano V:

Município ES

População

1 – Água Doce do Norte 11.771
2 – Águia Branca 9.519
3 – Alfredo Chaves 13.955
4  – Alto Rio Novo 7.317
5 – Apiacá 7.512
6 – Atílio Vivacqua 9.850
7 – Boa Esperança 14.199
8 – Bom Jesus do Norte 9.476
9 – Brejetuba 11.915
10 – Conceição do Castelo 11.681
11 – Divino de São Lourenço 4.516
12 – Dores do Rio Preto 6.397
13 – Fundão 17.025
14 – Governador Lindenberg 10.869
15 – Ibiraçu 11.178
16 – Ibitirama 8.957
17 – Iconha 12.523
18 – Irupi 11.723
19 – Itaguaçu 14.134
20 – Itarana 10.881
21 – Jerônimo Monteiro 10.879
22 – João Neiva 15.809
23 – Laranja da Terra 10.826
24 – Mantenópolis 13.612
25 – Marechal Floriano 14.262
26 – Marilândia 11.107
27 – Montanha 17.849
28 – Mucurici 5.655
29 – Muniz Freire 18.397
30 – Muqui 14.396
31 – Piúma 18.123
32 – Ponto Belo 6.979
33 – Presidente Kennedy 10.314
34 – Rio Bananal 17.530
35 – Rio Novo do Sul 11.325
36 – Santa Leopoldina 12.240
37 – São Domingos do Norte 8.001
38 – São José do Calçado 10.408
39 – São Roque do Canaã 11.273
40 – Vargem Alta 19.130
41 – Vila Pavão 8.672
42 – Vila Valério 13.830

 Fonte: Censo IBGE 2010

Galeria de Fotos: Os autores das histórias selecionadas no concurso puderam transformar o que contaram no papel em filme. Confira o making of das gravações da quarta edição do projeto.