22 dezembro 2015

Corpo de Bombeiros completa 103 anos

 

O Corpo de Bombeiros do Espírito Santo comemora nesta terça-feira (22/12) 103 anos com uma solenidade, às 19 horas, no Quartel do Comando Geral, na Enseada do Suá, em Vitória.

A programação inclui a formatura de novos soldados, a entrega da Medalha da Defesa Civil Estadual e da Medalha “General Castro” ao governador do Estado, Paulo Hartung, e da Carta Patente ao comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar do Espírito Santo, coronel Carlos Marcelo D’Isep Costa, além da concessão da honraria “Compromisso ao Primeiro Posto”.

 

Medalha da Defesa Civil Estadual

A entrega da comenda General Castro tem como objetivo distinguir personalidades civis ou militares, nacionais ou estrangeiras, e instituições civis ou militares, que tenham prestado relevantes serviços ao Estado e à comunidade capixaba, em assuntos de defesa civil.

 

Carta Patente

É o diploma confirmatório dos direitos, honras, vantagens, prerrogativas e deveres inerentes ao posto de Oficial do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Espírito Santo, por ocasião do seu ingresso nos quadros do Oficialato, nos termos da legislação vigente.

 

Compromisso ao 1º Posto

O compromisso ao primeiro posto é o juramento solene realizado pelos militares que são nomeados a Oficial. O ato é realizado perante a Bandeira Nacional, onde o Oficial assume o compromisso com a Pátria que deverá honrar durante sua carreira militar.

 

Formatura dos Novos Soldados

Durante dez meses e meio, os 30 novos soldados participaram de várias atividades do curso de formação em período de tempo integral. A grade curricular contou com disciplinas como combate a incêndios urbanos e florestais, salvamento em altura, atendimento pré-hospitalar, resgate em regiões alagadiças, corte de árvores em risco, salvamento aquático e mergulho, atendimento a ocorrências envolvendo produtos perigosos e ações de defesa civil.

Além dos conhecimentos técnicos, também foi exigido dos soldados o preparo intelectual e psicológico para o desempenho das suas missões, especialmente aquelas que envolvem vítimas em situações de alto risco.

Os novos soldados estarão empregados em diversas atividades, tais como salvamento em alturas, atendimento pré-hospitalar, salvamento aquático e mergulho, atendimento a ocorrências de produtos perigosos, defesa civil, cursos e instruções, normalizações, vistorias, conscientização, palestras, atividades sociais, prevenção contra incêndio e pânico, combate a incêndio, especialmente na continuidade do Plano de Expansão.

 

Histórico CBMES

A primeira iniciativa voltada ao combate a incêndios no Espírito Santo foi feita em 29 de setembro de 1862, quando o Chefe de Polícia, Antônio Gomes Villaça, baixou uma resolução determinando certas providências em caso de incêndio.

No ano seguinte, em junho, ocorre um incêndio na Casa de Comércio de Antônio de Almeida Coelho, sediada em Vitória. Provocado por uma faísca de uma bomba, este é o primeiro grande sinistro registrado em território capixaba.

Em 1912, atendendo a uma demanda da sociedade, o Presidente do Estado do Espírito Santo, Marcondes Alves de Souza, sanciona a Lei nº. 874, de 26 de dezembro, determinando a criação do Corpo de Bombeiros. Essa é a certidão de nascimento da Corporação.

No ano seguinte, em 13 de novembro de 1913, com a publicação da Lei nº. 920, o Estado implanta a primeira estrutura de combate a incêndios e outras catástrofes. Essa lei estabelece a criação de uma Seção de Bombeiros, dentro do efetivo da Polícia Militar, composta por um cabo e 12 soldados, comandados pelo 1º Tenente Ignácio Pinto de Siqueira.

Para a organização e treinamento da Secção de Bombeiros foi comissionado pelo Governo Federal um Oficial do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro, o 2º tenente Mário Francisco de Brito, que permaneceu em nosso Estado por três anos até concluir a formação dos componentes da nova unidade.

Na ocasião se estabeleceu o embrião do Corpo de Bombeiros sob o emblema da abnegação e dedicação, respaldando as ações realizadas em prol da sociedade.

De sua criação até os dias atuais a Instituição teve as seguintes denominações:

 

  • 1912 – Corpo de Bombeiros;
  • 1921 – Secção de Bombeiros;
  • 1924 – Pelotão de Bombeiros;
  • 1925 – Companhia de Bombeiros;
  • 1938 – Corpo de Bombeiros;
  • 1997 – Corpo de Bombeiros Militar até os dias atuais.

 

O Corpo de Bombeiros foi um órgão integrante da Polícia Militar até o dia 25 de agosto de 1997, data em que foi publicada a Emenda Constitucional nº 12 que permitiu a sua desvinculação com autonomia administrativa e financeira, dando início a uma nova história.

Naquela época, a Corporação passou a contar com o efetivo de 600 bombeiros militares num período de desafios e expectativas, tendo como foco permanente manter sua trajetória de busca da melhoria contínua, para atender às demandas da sociedade.

Hoje o Corpo de Bombeiros Militar está presente em 14 municípios: Vitória, Serra, Vila Velha, Cariacica, Cachoeiro de Itapemirim, Guarapari, Anchieta, Marechal Floriano, São Mateus, Linhares, Colatina, Aracruz, Nova Venécia, Guaçuí e previsão de inauguração de uma Unidade em Venda Nova do Imigrante. Existe ainda uma política de reestruturação dos quartéis de São Mateus com obras recém-iniciadas, bem como a retomada das obras de Serra e Vila Velha.

 

Matéria e foto: Assessoria de Comunicação do Corpo de Bombeiros Militar do Es